quarta-feira, 25 de junho de 2008

Nós Duas

Tela de Luis Ricardo Falero



Acima de mim
Caminha a lua.
Num céu de abismo,
Estrelas alinhadas me olham
Sentindo vertigem.

Abraço à noite imensa
E sou enlaçada pela bruma noturna.
Incomensuráveis
São os vultos que me acompanham.
Uma perspectiva disforme
Molda imagens estranhas
Nas fachadas das casas.
Sinto-me exilada em minha terra.

Provo a nostalgia lancinante
Daquilo que me faltava
E assimilo inteira
O objeto de minha procura.

A lua se arredonda para mim
Revolvendo-se em círculos.
Eu me torno crescente para ela
E juntas vagamos à noite inteira.

Um comentário:

Manuel Marques disse...

E se por acaso a Lua se perder saberei sempre que terá sido em qualquer lugar mágico e pleno, porque à noite anda sempre contigo! Beijinhos!