quinta-feira, 30 de julho de 2009

Meu Medo

Tela de André Toma



O medo que tenho

É de nunca me apagar,

Medo do começo,

De nunca poder parar.


Medo da chegada hostil,

Da flor que evapora.

Do perfume que fica

E que não vai embora.


O medo que tenho

É da lembrança infinda,

É de estar para sempre

Como alma perdida.

2 comentários:

Mary disse...

Oi Poetisa,

Encantada c/ seus poemas.
Parabéns!

Beijos, Beijos!

O que Cintila em Mim disse...

Obrigada Mary e volte quando quiser.