sábado, 3 de dezembro de 2011

Tecendo a Solidão




 Tela de David Edward Linn

Estive a decifrar enigmas
Em folhas soltas de teu livro sagrado.
Desvendei o labirinto de tua estranha linhagem.
Descobri que o rumor áspero de tua voz
Vinha do silêncio e da amargura.

Inconcebível grito de menino,
Pássaro perdido, de asas cortadas.
Falavas em meu ouvido sobre flechas desnorteadas,
Que riscavam o céu da noite.

A cada dia, tentei arrebatá-lo da sombra sinistra,
Das páginas cheias de lembranças de mortes,
E das trevas que escondiam vultos proscritos.
Mas seu coração se escondia num sótão em ruínas.

O teu corpo era um balançar de junco,
E a meia-noite era o melhor de teu dia.
Levei-te ao canto aconchegante dos carinhos,
E vi as estações estivais passarem sem ti.

Fui negada, à porta de tua tenda,
Quando te trazia um campo de estrelas.
Vi tuas armas suspensas, mostrando o fio das espadas.
As flores que havia deixado para ti caiam arrebatadas
Pela falta da água primordial.

Durante todo o tempo que te falei,
Tua sombra de pássaro andava pisando inconstâncias.
Caminhei pelas galerias secretas de tua alma,
E aprendi, ao longo do tempo,
A tecer contigo uma mitologia de solidão e espanto.

18 comentários:

JOSÉ ROSÁRIO disse...

Estou acompanhando o drama das linhas que vieram em etapas. Fictícias ou reais (o que me parecem), são o retrato fiel de uma amargura velada.
Que parece arrefecer aos poucos... Cicatrizes serão indesejáveis tatuagens eternas!

Rafael A.M. disse...

"mitologia de solidão e espanto"....sim, Sei também o que é isso....Brilhante.Abraços.

Monja de Clausura Orden de Predicadores disse...

Gracias Raquel por quedarse a mi lado, su poesía y sus fotografías son muy bellas.
Le dejo mi ternura
Sor.Cecilia

Sonhadora disse...

Minha querida

Como sempre um poema que grita por dentro do silêncio do tempo.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

Canto da Boca disse...

O poema é todo cingido de belas metáforas e esbanja subjetividades, mas não é monótono e nem hermético, e eu destaquei essa parte: "E aprendi, ao longo do tempo,
A tecer contigo uma mitologia de solidão e espanto", e de respeito, acrescentei.
Porque ainda que seja um poema que denuncia (tanto quanto anuncia)uma certa negação e ausência do outro ser em relação à autora, há uma ciência dela, desse fato, que por sua vez, vai até onde pode ir, até aonde lhe permitem chegar.
Lindo seu texto!

;)

docerachel disse...

Os poemas falam de metáforas e de um mundo que não é real. Nem sempre o poeta diz sobre si.

Grata pelo carinho.

Amor feito Poesia disse...

As pequenas consciências piscam o olho,
as grandes lançam raios.
Se não há nada que brilhe debaixo da pálpebra,
é que não há nada que pense no cérebro,
é que não há nada que ame no coração."

-Victor Hugo-

Feliz semana com amor e paz!
Beijos no coração...M@ria

A.S. disse...

Tuas palavras transbordam
na intima noite,
como versos derramados
em espanto e solidão...
São palavras em desalinho
que teus lábios ousaram libertar.
Pássaros que voam docilmente
Sob o perfil das silabas...

Beijos...
AL

urbanascidades disse...

Rachel, desejo a ti, teus familiares e todos os visitantes do teu blog um Feliz Natal. Aproveito para informar que dia 02 de janeiro estreia Urbanascidades 2012, igual mas...diferente.
Paulo Bettanin.

Tais Luso disse...

Olá, Rachel, passando para desejar Boas Festas, junto aos seus, e um excelente 2012, pleno de realizações.

Belo poema, triste, mas na tristeza encontramos muita beleza. E a solidão é um de meus temas preferidos. Desvenda a alma em todas suas nuances.

Meu abraço a você.
Até 2012!
Tais Luso

efa disse...

Lo mejor para vos y los tuyos.
Felicidades!!!

Rafael A.M. disse...

Muito obrigado pelos votos, Rachel... Agora sigo O rebate. Bom vídeo...Gosto do Oldfield.

Espero que este seja também o mrlhor ano da tua vida...Abraços.

Canto da Boca disse...

Obrigada, doce Rachel, espero mesmo o melhor nesse ano.

E para ti? Ah, para ti, só saúde, alegrias, felicidades, realiozações em todas as dimensões!

Um beijo grande!

(obrigada por estares também no "nem tudo é deserto", é a minha menina dos olhos!)

;)

Anna Amorim disse...

Doce Rachel,

O femino que age pela sua entrega, na busca incessante do outro.

Um poesia plena em encanto, beleza, intensidade.

grande beijo e que 2012 seja pleno em inpirações a realiar!

Anna Amorim

maia disse...

Feliz año nuevo!

Sonhadora disse...

Minha querida

Que 2012 seja um caminho coberto das mais belas flores e dos sonhos mais lindos.
obrigada pelo carinho da visita.

Beijinho com carinho
Sonhadora

Amor feito Poesia disse...

Signifique.
Deixe na vida
alguma coisa terna.
Eterna.

Patty Vicensotti

Beijos perfumados e Bom dia! M@ria

MARIA DA FONTE disse...

É de facto uma maravilha. Beijinhos