sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Voltando para Casa

Tela de Edward Burne-Jones



Terminaram os seus dias

E ainda não tinha visto

Todas as coisas.


Não viu escrito

Em nenhum lugar

Que a hora era chegada.

Que a partida se preparava.


Atravessara o campo santo

Tentando esquecer a vida.


Foi arremessado bruscamente

A uma onda de vapores

Que apagava seu rastro.


Agora tinha que lidar

Com a noite de seus dias.

Sentia uma compaixão abundante

Ser derramada sobre ele.


Seus infortúnios

Já não mais importavam.

Eram absorvidos

Por essa nova emoção

De bem-aventurança.


Ali, no meio daquela súbita claridade,

Rompia-se o fio que o prendia aos dias.

Seus olhos não mais ardiam.

Sentia uma ternura imensa

Por tudo o que via.


Rejuvenescia num novo corpo.

À medida que caminhava,

Reconhecia pessoas que foram suas.

Sentia que uma paixão ardente

Brotava de seu coração.


Emergiu com todo ardor

A essa nova emoção.

Podia contar com imensa felicidade,

A todos que encontrava,

Que estava voltando para casa.

8 comentários:

Marcos disse...

Lindo minha doce amiga, parabéns.

Leninha disse...

Poder falar em poemas o doce mistério do tempo...
é viver e ver ...tudo o que nos cerca e todos os mundos por onde vamos passar...
aquecida estas pelo sol docinho lindo.
beijo carinhos.

ana p roque disse...

As vidas que já vivemos,
As que ainda viveremos,
O que conta é evoluirmos
e transcedermos o nosso Eu
Até que cesse a Roda da vida
E entremos num novo mundo
de Paz e Felicidade em que
Sejamos Uni-verso!

Lindo poema Rachel!

Beijinhos

Dolores Quintão Jardim disse...

Lindo poema Rachel!

Sentindo a vida e a morte,que caminhando lado a lado..até o fim.

Recebe meu carinho e admiração!

universo em poesias disse...

E assim cada um de nós vai seguindo sua caminhada, entender nossa vida, e a morte é tarefa que ainda precisamos exercitar nesta escola,aceitar tudo que vem a nossas mãos é exercício diário.
Lindo minha doce amiga!
Diferente dos seus textos, e o brilho cresce na medida que nos presenteia com seus trabalhos.

Obrigada por partilhar!
Marta Peres

Manuel Marques disse...

Universos paralelos em que há sempre uma esperança renovada de encontrar algum Santo Graal, mesmo que seja em forma de fata morgana, mesmo que aparente, ou apenas um oásis para lá da mera compreensão humana. Estados da alma eterna!

Parabéns!!!

Beijinhos!

docerachel disse...

Obrigada por tudo que falaram!
Minha alma pequena se engrandece.

Kael Kasabian disse...

Adorei este aqui,mas vejo e sinto que ele se parece comigo até a penúltima linha,não sei se terei o mesmo ardor,mas acho que sentiria mais um tipo de sabor vingativo,como: ´´estão vendo???eu voltei!!!``

Mas minha possivel vingança nao vem ao caso,importa que está lindo seu poema e eu que tenho que curar meu ego,abraxxxxxxxxx!!!!!!