domingo, 12 de outubro de 2008

Eterna Primavera

Tela de Frank Dichsee



Agora sou

Uma estrada pontilhada.

Caminho sozinha

Buscando o paralelo

De minha existência.


Existo em mil maneiras de viver.

Vou observando meu congelamento

Na eternidade impossível.


O fio que me separa

Desse estado de ser

É súbito, não posso rompê-lo.


Vou de encontro,

Ao único lugar

Que é quase um jardim secreto.

Lá, encontro minha primavera.

Um comentário:

Dolores Quintão Jardim disse...

Sim,a Primavera acontece em cada ser com sua individualidade!

Às vezes não acontece!