sexta-feira, 20 de março de 2009

Olhos Vazios

Tela de Dino Vaals



Quando me olhas morro um pouco,

Se não me olhas morro mais,

Se não te vejo fico louca,

De nada sou mais capaz.


Se em teu rosto não vaga nuvem,

No meu, elas são demais.

Tormento de chuva fina,

Alcança clarões, me desfaz.


Sigo teus passos, teu reflexo,

De coração aos pedaços

Fascinada pelo aperto

De tuas mãos em meu amplexo.


De tudo que me tiraste

Ficou somente o abismo.

Um frio entre as cobertas

E um par de olhos vazios.

2 comentários:

www.manuelmarques.com disse...

E aqui talvez tenha mesmo algo a ver:

Não te falo de poesia apesar das bacantes o quererem, aproveita antes para escutares o coração. O compasso depois das violentas reacções a pedaços de vida sem a mais pequena importância...

MM

Que saibas que a importância que tens é enoooooorme!!!


Beijinhos!

docerachel disse...

Minha importância é do tamanho de tua ansia por mim.

Esqueço tudo para estar aqui contigo.