quarta-feira, 4 de março de 2009

Tormenta

Tela de Gregory Crewdson



O tempo é curto

Para que eu descreva o surto

Que esparramei naquele lugar.


Cheguei retumbando tormentas,

Anunciando que vim para

Esparramar contendas.


Era um lugar isolado.

Pessoas falavam e falavam,

Eu seguia todos

Com olhar velado.


Pisei num canteiro de flores,

Levantei vários segredos,

A negra cor das paixões

E uma coleção de dores.


Farto de ver alcei-me ao redor,

Espalhei folhas,

Levantei o pó das coisas,

Vi nos olhos o horror.


Armei um vendaval aziago,

Embalei tal estrago

E para minha tristeza

Arranquei os brincos de uma princesa.

Um comentário:

www.manuelmarques.com disse...

É esse o problema dos vendavais, arrancam-se os brincos à princesa e a megera fica intacta!


És talentosa por demais a escrever!

Muitos abraços de perto do Mediterrâneo!