segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Desfeitos


 Tela de Nagib El-Desouky

Conheci sua sombra
Embriagada em meu jardim.
Um ruído de soluços,
Que implorava por mim.

Virou criança na cama
Sumiu-lhe todo o medo.
Falou de sua vida insana,
Contou-me os seus segredos.

Dancei como a odalisca,
Dei-lhe o melhor de meu corpo.
Sorveu-me a eternidade,
Ficamos quase desfeitos.

Um comentário:

Dalva Maria Ferreira disse...

Muito boa! Curtinha e direta, sem deixar de lado a riqueza.