segunda-feira, 25 de junho de 2007

Sombras


Tela de Alphose Mucha

A noite entra porta adentro,
Com ela vem junto à solidão.
E nessa hora de inquietação e cisma,
Minha treva interna teima em ter razão.

Minha alma queima de pensar naquele,
Que invisivelmente entra em meu coração.
Que dança compassos em louco delírio,
Atormentando minha alma que nunca diz não.

Quem fez a noite tão sombria e escura,
Sem seu corpo ardente para eu tocar?
E das sombras aponta como um farol,
A voz da razão para me acordar!

2 comentários:

arterapiaanamaria disse...

Que dança compassos em louco de lírio.

Esse ai fala tudo amiga...
Bom demais...
Lindo amiga...
Beijos.
Ana Maria

docerachel disse...

Louco de lírio, ficou parecendo que por um descuido, alguém tenha experimentado comer dele e se vê em loucura narcótica.