sexta-feira, 11 de maio de 2007

A Carta

Pintura de Delphin Enjorlas

A carta é um papel que grita
Palavras de desespero.
Elas escorrem pelas bordas,
Como sangue novo e quente.

A carta é um espaço limitado
Com uma alma latente.
Nela está contida mil letras
De redondas formas,
Que ora se lançam
Num fio de bailarina
Enfeitando o texto,
Ora caí abandonada pela dor
De quem escreve e mente.

Retangular e rosada
É a carta da amante,
Que pede, implora...
Volte!

Quadrada é branca e a carta
Do amado, que responde:
Esqueças!

A carta é um punhal
Solene e breve,
Que fere e fere,
Tantas vezes
Que se diz
Soletre...

Só estamos bem,
Mesmo que breve,
Quando nos consentimos
Rasgá-la
Com as próprias mãos
E o coração leve.

Um comentário:

gericao disse...

Passeei pelo blog todo e achei tudo uma delícia, Rach.

Você é uma... doce delícia.

te gosto muito, poeta e pessoa.